sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

As horas (e a hora de amar)

A hora começa a correr
quando os amores se encontram.
Antes disso, passa lenta,
passa devagar, quase não passa...

A hora vê quando os amores
vestem-se, olham-se,
consentem-se...
Nesse instante, disparam!

As horas não são amigas
dos amores...
Ficam olhando para eles,
passam como estrelas cadentes.

Mas os amores não ligam,
amam-se, amam, abraçam
as horas que Deus concede.

Tocam braços, mãos e pelos.
Trocam beijos, olhares e palavras.
Amam, amam, amam a esmo.

Poucas horas, mas sabem aproveitar:
amam, abraçam-se, beijam-se.
Beijam-se, beijam-se, dormem...

As horas não são de nada
contra uma história de amor,
porque o amor valoriza todo minuto.



SOLINEIDE MARIA DE OLIVEIRA
Para J.R.

Nenhum comentário:

Postar um comentário