quinta-feira, 30 de novembro de 2017

OUTRA VEZ E DE NOVO... SAUDADES DO RENATO RUSSO.

TENHO SAUDADES DO RENATO RUSSO COMO SE ELE FOSSE MEU IRMÃO. COMO SE TIVESSE VIVIDO COMIGO A ADOLESCÊNCIA NO BAIRRO ONDE MORAVA COM MEUS PAIS, MINHA FAMÍLIA, NAQUELE TEMPO EM QUE  A GENTE SONHAVA EM TOMAR COCA-COLA... rs
CONHECI A ESSA BEBIDA COM 14 ANOS, QUANDO UM TIO FOI PASSAR O NATAL CONOSCO NO ANO DE MIL NOVECENTOS E BOLINHA...
ÀS VEZES FALO ALTO ASSIM: "POIS É RENATO"... DEPOIS DOU UM SORRISO DE BOBA, SORRISO DE QUEM SE DÁ CONTA DE QUE NÃO DEVE SER NORMAL TER SE APEGADO A ALGUÉM QUE VIVEU COMIGO, APENAS, NO MUNDO DAS IDEIAS.
COMO ASSIM APENAS? ELE VIVEU MUITO MAIS VERDADEIRAMENTE COMIGO DO QUE ALGUNS AMIGOS QUE CHEGAVAM E E IAM-SE EMBORA... SEM DIZER ADEUS...
ALIÁS, QUE AMIZADES ASSIM, SEMPRE EXISTEM E EXISTIRÃO. MAS SERÁ AMIZADE? MAS ISSO É TEMA DE OUTRO DEVANEIO DE MINHAS EMOÇÕES...
TAMBÉM EU VOU-ME EMBORA ASSIM. ÀS VEZES FERE-SE MENOS...
RENATO ME DIZIA O QUE EU NEM SABIA COMO FALAR.
UMA AMIGA FOI PARCEIRA NESSA AMIZADE. O NOME DELA É CIDA. MAS DEPOIS DO ADVENTO DA DOENÇA, ACHOU POR BEM TROCAR O NOME PARA LUCI. É BACANA, MAS NÃO CONSIGO ME ADAPTAR ATÉ HOJE. DESCULPA MINHA AMIGA.
NÓS DANÇÁVAMOS AS MÚSICAS DO RENATO E CONVERSÁVAMOS SOBRE AS LETRAS DELE E SOBRE COMO ELAS DIZIAM TUDO O QUE GOSTARÍAMOS DE FALAR.
O PAI DELA DETESTAVA... A GENTE FICAVA AGUARDANDO A SAÍDA DELE E EMBARCÁVAMOS NAQUELAS LEITURAS. CIDADE PEQUENA, GRANA NENHUMA, NADA PARA OS JOVENS FAZEREM... EM MAIS DE VINTE ANOS POUCO MUDOU. PRINCIPALMENTE PARA OS JOVENS DE FAMÍLIA DE BAIXA RENDA.
MINHA MÃE FICAVA AFLITA QUANDO EU ME APROXIMAVA DO SOM MARCA SONY, TRÊS EM UM. CARAMBA... QUANTA SAUDADE...
MINHA MÃE ATÉ HOJE NÃO SUPORTA RENATO RUSSO. É QUE EU REALMENTE ENCHIA COM O SOM ALTÍSSIMO E DANÇANDO "RENATISTICAMENTE" PELA SALA... DESCULPA MAINHA... EU PEGAVA PESADO MESMO...
RENATO ERA MEU AMIGO SIM. AINDA O É. HOJE MESMO ELE VEIO ME VISITAR E ESCREVEU UMA MÚSICA, MAS NÃO SEI TOCAR NEM CAIXA DE FÓSFOROS... VOU LEVAR PARA MINHA FILHA, QUE TOCA VIOLÃO E QUE TAMBÉM GOSTA DO RENATO RUSSO.
ELE ESTAVA TÃO CALMO, PEDIU PARA SEGUIR COM CALMA E COLOCOU UMA MÚSICA, ESSA, QUE ELE ESCREVEU. UMA CANÇÃO MUITO LINDA!
DEPOIS PERGUNTOU SE TINHA CAFÉ, EU PERGUNTEI SE ELE QUERIA, ELE DISSE QUE ESTAVA MAIS PRA CHÁ HOJE EM DIA. SORRIMOS.
EU PERGUNTEI SE ESTAVA TINHA VISTO A MÚSICA DELE NAQUELA NOVELA. ELE SORRIU E FALOU QUE É SÓ MORRER PARA SER AMADO POR TODOS. EU DISSE QUE ISSO NÃO É PARA TODOS. SORRIMOS...
DEPOIS LEMBRAMOS DE OUTRAS CANÇÕES EM TRABALHOS NO CINEMA E NOVELAS ENQUANTO ESTAVA VIVO.
ELE DISSE: "NESSE PLANO" E GARGALHOU. FALOU ASSIM:
"E EU QUE PENSAVA QUE ERA TUDO UMA GRANDE ILUSÃO COLETIVA, ESSE NEGÓCIO DE MUNDO ESPIRITUAL".
DEU-ME TANTOS CONSELHOS. MUITOS. INCLUSIVE O DE NÃO ENCUCAR DEMAIS COM OS ACONTECIMENTOS DESAGRADÁVEIS. "TODA VERDADE VOLTA MINHA AMIGA POETISA". DISSE E ME ABRAÇOU. DEPOIS DESPEDIU-SE TOCANDO AINDA É CEDO NUM RITMO BLUES LINDÍSSIMO.
ACORDEI COM A VISÃO DO SORRISO DELE ME DIZENDO ASSIM: "ESCREVA MINHA IRMÃ, ESCREVA".
FIQUEI UM TEMPO OLHANDO O TETO BRANCO E LI UMA PALAVRA MUITO BONITA: GRATIDÃO.

(Solineide)

Luanda, 30/11/2017.

AS VIAGENS

(Este é um texto sobre lancha, sobre barquinho de papel, sobre saudades, sobre sala de aula, sobre ser professor-pesquisador na época em...