segunda-feira, 29 de abril de 2013

Soneto de um encontro desencontrado

Que pena que encontrei você agora...
Tão longe de vivermos sempre juntos.
Tão longe de abraçarmos as mesmas causas,
tão longe para sempre, embora atados...

Que pena que não soube esperar
por suas doces e tensas palavras...
Por suas mãos sempre tão acertadas...
Por seu olhar sempre tão elevado.

Queria lhe dar meu amor sincero,
e um pouco do que sei
da vida agora...

Mas veja meu amor
estamos longe...
Embora estejamos tão ligados.


Solineide Maria
Abril de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário