domingo, 24 de fevereiro de 2013

A IMPORTÂNCIA DA PRODUÇÃO TEXTUAL

“Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência a vossa!
Ai, palavras, ai, palavras,
sois de vento, ides no vento,
no vento que não retorna,
e, em tão rápida existência,
tudo se forma e transforma!”
Cecília Meireles


Quando se diz o que se quer dizer por escrito, estamos exercitando nossa capacidade de composição: nesse momento somos todos escritores. E não é nada demais fazer isso, basta ter o mínimo de organização. 
Para escrever é preciso ter o que dizer. Para isso, é imprescindível que sejamos leitores, bons observadores e, sobretudo, escritores. Sim, porque quem escreve é escritor. A escrita e a leitura estão imbricadas. 
Vejamos: se formos escrever uma carta, por exemplo, temos um destinatário (aquele que receberá a carta). Escreverei, então, para essa pessoa. E o que escreverei? Sobre os assuntos que ocorrerem, ou, algum assunto em especial. O corpo do texto será organizado, para que o leitor não se perca na leitura das notícias. Então, a carta será organizada assim: cidade, data e ano; um vocativo (nome do destinatário ou saudação), o corpo da carta (os assuntos, a minha escrita). Por último, a saudação final e a assinatura. 
No caso de adentrarmos no universo da poesia, também necessitamos de um tema (assunto). Caso sejamos um poeta sem assunto, a poesia terá uma cara de quem queria ser poeta e não organizou as ideias e as emoções. Vai ficar na cara que pensamos que ser poeta seria sentar e escrever o que lhe dá telha. Ser poeta não é nada disso!
O poeta é um ser inspirado por natureza, mas escreverá seu texto de maneira organizada. Pensará em que forma será sua composição: soneto, verso livre, hai-kai, cordel, quadras, prosa poética? Depois escreverá e revisará. Apenas posteriormente dará por acabada a sua “invenção”. É isso que o escritor faz quando vai produzir seu texto: ele para e pensa no que dizer, pesquisa sobre o assunto, só depois é que escreve. 
Os romancistas realizam duramente esse trabalhos de pesquisa (os bons...). Os cronistas da mesma forma. Estão vendo? Todo escritor é pesquisador e não escreve o que lhe dá na telha não... Há um caminho de escrita, reescrita, revisão... É assim que se chega a produzir bons textos. 
Este texto que você lê agora foi escrito e reescrito. Houve pesquisa para poder criá-lo e depositá-lo aqui nesta página. Houve contato com alguns pesquisadores sobre a questão da Produção Textual e Leitura. Anotações ocorreram. Depois foi escrito um rascunho dos pontos considerados mais importantes para o momento e de outros pontos considerados chave (aquele que não pode faltar). Deve-se levar a sério a questão da escrita, porque vivemos num mundo cercado de letras por todos os lados. Para que sejamos entendidos e consigamos entender, devemos ler e escrever. 
No entanto, ler e escrever de forma apropriada e lógica. E até que se chegue à realidade da boa escrita, deve-se ler e interpretar de maneira condizente. 

P.s. E mesmo revisando e remexendo e escarafunchando o texto, ele pode nos dar a volta e deixar alguma inconsistência... Palavra é um bicho danado... rs

Solineide Maria de Oliveira 
Professora 
Poetisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMER APROVA O TRABALHO ESCRAVO

De onde saiu essa criatura que atende na função de Presidente de um país com gente que trabalha para pagar feijão, arroz, carne seca, água?...