terça-feira, 18 de setembro de 2012

À deriva

Como num sonho perdido
corro em vias noturnas:
solitária.
Vivo um talvez irritante
de algo mais.
Sempre...
E esses pensamentos todos
vagueiam,
fecundam,
insistem,
esperam,
esperam,
esperam...
Como um navio no cais.


Solineide Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMER APROVA O TRABALHO ESCRAVO

De onde saiu essa criatura que atende na função de Presidente de um país com gente que trabalha para pagar feijão, arroz, carne seca, água?...