segunda-feira, 4 de junho de 2012

Prece para a Médica Ângela Tenório

Senhor,

estudei para salvar vidas e ter dignidade de pagar o ônibus ou a gasolina.
Estudei para cicatrizar feridas e suturar ferimentos.
Estudei para estar perto de Deus, já que, como Ele, poderia devolver vida, esperança e ânimo.
Estudei e formei-me Médica.
Como a Santa Madre Teresa, sinto dores e odores:
diariamente.
Sofro também com o diabetes que apenas se desenvolve. Além disso, Senhor, sou hipertensa.
Faz muitos anos que sou Médica, mas nesses últimos tempos não tenho mais orgulho de minha profissão.
Somos um bando de trabalhadores sobrecarregados. Assim como eu, existem milhões, na mesma situação.
Poderia ter comprado um Big apartamento, se tivesse sumido para o interior do Nordeste há uns vinte anos atrás... Não o fiz, por ter consciência de que devia devolver ao meu próximo a "caridade" do meu atendimento.
Lógico que queria estar bem, com boa poupança e vida (nada demais) se tivesse o reconhecimento financeiro e moral que a profissão merece.
No entanto, não deu certo... Nasci num país de mentiras, quando não, de meias-verdades...
Nessa prece sem força, peço que não me condene por desabafar e dizer que sinto muito, mas abro mão de minha função salvadora... 
Quero que aconteça comigo, o mesmo que ocorreu com aquele "padrezinho" do interior, num vilarejo de pescadores, que sugeria operar milagres (da crônica de Raquel de Queiroz)... 
Peço que o milagre que me caiba, seja o de ser simples mortal e, se for possível, morrer dormindo. Para não chegar a confirmar que a Saúde não teve salvação...


A crônica cujo me refiro,  intitula-se "O padrezinho santo". Consta no livro Cem crônicas escolhidas de Raquel de Queiroz. Editora: Círculo do Livro, páginas 201, 202, 203 e 204. 

Um comentário:

  1. O desabafo com a profissão que ela escolheu para salvar vidas e com falta de incentivo e políticas publicas para ela exercer a profissão com dignidade,não deu a resposta que ela esperava já que estudou tanto para ter uma vida confortável,com sucesso profissional.
    Maria Eduarda,6º ano Anglo-Itabuna

    ResponderExcluir

TEMER APROVA O TRABALHO ESCRAVO

De onde saiu essa criatura que atende na função de Presidente de um país com gente que trabalha para pagar feijão, arroz, carne seca, água?...