quarta-feira, 7 de março de 2012

TEMPO DE ESCOLA

As enciclopédias compradas na porta de casa, eram para ajudar nas pesquisas escolares. Todas elas muito bem apresentáveis, capa, contracapa, o lustre ilustre das imagens e dos desenhos. Ali estavam os grandes vultos brasileiros: datas importantes, geografia, e tudo o mais que houvesse. 
Ajudavam, certamente. Pesquisas escolares àquela época eram como uma espécie de "recreação" escolar do fim de semana.
As prestações eram pagas religiosamente. Dinheirinho juntado com afinco por minha mãe. Às vezes economia do leite, do pão, do açúcar, da mistura... Sendo, dessa maneira, pagas também por meu pai. 
Meu pai trabalhava na Ceplac o dia todo e "deixava" por conta de nossa mãe a educação dos filhos. Algumas vezes não entendi tanto silêncio, quando ele, voltando do trabalho se encerrava em frente da televisão. Outras, não entendia a falta de contato físico dele conosco, com minha mãe, com a casa... Raramente entendemos as coisas na hora exata. 
Hoje, rememorando as enciclopédias, posso até sentir a mão do meu pai afagando meu cabelo, num daqueles finais de semana de pesquisa escolar dizendo: _ Estude, o estudo é tudo
Minha mãe, sempre altruísta, orgulhava-se em ver que aquela aquisição havia sido formidável. 
Essas lembranças foram elaboradas com carinho por meu coração. Enfileiradas estão, como se fossem mensagens para serem lidas depois de adulta, no sentido de luzir meus dias de gente grande.
São as melhores lembranças do meu tempo de escola. 

Solineide Maria - 2001.
Do livro Na casa onde estão meus dias (inédito).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMER APROVA O TRABALHO ESCRAVO

De onde saiu essa criatura que atende na função de Presidente de um país com gente que trabalha para pagar feijão, arroz, carne seca, água?...