sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Senhor,


Não sou nada. E mesmo que consiga despertar para o que deveria ser faz tempo... serei, ainda, uma migalha do que poderia ter sido.
Mas peço desenxabida: despertai-me!
Retirai de mim essas elocuções sem nexo. Fazei o meu discurso reto, certo e pleno de boas colocações, com orações urdidas de luzes que me acendam e aos meus.
Não sou nada, além de umas palavras assim falhas, frouxas, efêmeras. Além de umas intenções de não sei quê, nem quando.
Apesar de minha pouca erudição Senhor, recebei-me e fazei uso do que possa, de fato, ser útil.

Amém.

Um comentário: