sexta-feira, 28 de outubro de 2011

POEMA SEQUIOSO DE PERDÃO


Eu não mereço tanto amor,
Tanto desvelo.
E esse dedo em Tua mão
Assim torcido...

E essa face que me ofertas
Nem nada Teu... Oh Doce e Bom
Querido Amigo
Não, não mereço....

Não merecia Tua sentença,
Tua desgraça.
Não merecia Tuas tão boas
Fortes palavras...

Nunca terei merecimento
De Tuas maneiras,
Que sempre acolhem
Amparam, abonam.

Não, não mereço
O Teu Calvário,
A Tua Dor.
Nunca merecerei Senhor!

Nunca merecerei
A Tua Santa submissão
Esse “presente” de Terdes
Vindo em tal Missão...


Um comentário: