terça-feira, 16 de agosto de 2011

Meu Deus, que sinto agora?


Meu Deus, que sinto agora?
O que, nesse momento vem
E se assenta na sala
De minhas emoções?

O que é essa vontade,
Que me faz esquecer razão
Prudência e paz
Em face de um olhar?

Que devo fazer para amparar
A pouca força de não sucumbir,
De não atar ao elo do porvir
A face de algum ressentimento?

Meu Deus velai por minhas emoções!
Mas devo confessar minha fraqueza
Minha incapacidade em lutar
Quando ouço a voz da delicadeza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário