sexta-feira, 18 de junho de 2010

DÚVIDAS AD ETERNUM

A vida presente num alarido de coisas
que não entendo;
entendemos.

Quando seremos melhores?
Quando entenderemos de amor
flor
ternura
paz?

Quando será que o corpo
não será visto como mais que a alma?

Quando será que o gozo das
habilidades do corpo,
ultrapassará o tempo de uma noite?

Nenhum comentário:

Postar um comentário