quinta-feira, 1 de abril de 2010

Declaração

Componho sim, versos românticos.
Mas não sou apenas a que sente
saudade,
solidão.

Também me afeta a violência deste,
que é um mundo,
em plena podridão.

Também sofro pela menina que não mais brinca,
pois, de pronto,
escolhe o lado menos pueril
que a vida lhe apresenta.

Também choro pelas putas
pobres,
pretas,
roxas luzes que nunca brilharão.

E choro igualmente pelas putas
brancas
bonecas
de aluguél
que apenas animam uma noite
de alguém que nem se diverte.

Sei dos meninos serviciados
pelos seres viciados por tão vil
imperdoável sensação!

Sinto muito pela idiotice
dos que acreditam em alguma verdade
nas próximas eleições.

Não deixo de rezar pelas mulheres
que morreram
porque acreditaram no "amor",
e se entregaram a relações sombrias,
com homens igualmente misteriosos...

Não me esqueço do planeta que sufoca,
sem ar,
sem água,
sem chão.

Componho sim, versos românticos.
Mas não sou apenas a que sente
saudade,
solidão.

Embalde não.

Um comentário: