segunda-feira, 27 de setembro de 2010

SOBRE CERTA CHEGADA

Precisa, mesmo, que viesses,
E que trouxesses contigo,
Umas flores silvestres.
Flores novas para meu jardim.

Precisava, mesmo, de cores
Novas. De mais pão, mais
Gás no lampião, novas cortinas
Para antigas janelas...

Precisava.
Precisa de nova mobília
Para esta minha sala
Inabitada.

Precisa, mesmo, que viesses.
Que trouxesses umas falas
Novas. Novo discurso,
Ainda que revisto.

Precisava trocar a minha lente,
Cuidar direito da pele,
Deixar de roer as unhas,
Desanuviar...

Precisava, de fato, de tua chegada.
Eu, que nem sabia se virias.
Que nem sei se chegastes de fato.
Ainda mirro uma vez na semana...

Apesar de já ter alcançado
Ser menos mirrada do que antes.
Ainda desconfio de tal felicidade.
Coisa de poeta, desconfio...

Precisa, mesmo, que viesses.
Pois a lâmpada queimada,
Aguardava já empoeirada,
Sua reposição.

Precisava.
Precisava revisar a literatura.
Construir novos versos de ternura.
Ampliar a emoção...

2 comentários:

  1. GOSTEI DA SUA POESIA......LINDA.. DIFERENTE...

    ResponderExcluir
  2. GOSTEI DA SUA POESIA......LINDA.. DIFERENTE...

    ResponderExcluir

TEMER APROVA O TRABALHO ESCRAVO

De onde saiu essa criatura que atende na função de Presidente de um país com gente que trabalha para pagar feijão, arroz, carne seca, água?...